Se você é amante de carros e velocidade, então você também é um apaixonado pela Mercedes-Benz. Afinal, a marca foi pioneira na história automotiva e até hoje revoluciona o mercado com as constantes inovações em sua linha de veículos.

No texto a seguir vamos relembrar um pouco da história da Mercedes-Benz, desde o seu surgimento até os dias atuais. Continue a leitura e confira!

Ate o final do artigo, você terá acesso as seguintes informações:

  • Nascimento da marca
  • A junção dos rivais
  • O surgimento do nome Mercedes
  • O nascimento da estrela
  • Desenvolvimento dos veículos atuais
  • O Design Code da Mercedes-Benz

 

Nascimento da Marca

A história da Mercedes-Benz começa bem antes do seu lançamento oficial, em 1924. Para contarmos essa história precisamos relembrar as trajetórias de Gottlieb Daimler e Karl Benz, responsáveis pela criação da Mercedes e por construíram paralelamente os primeiros automóveis motorizados do mundo.

Em 1871, Carl Benz construiu o primeiro carro com três rodas movido por um motor de combustão interna, em 1891 desenvolveu também seu primeiro carro com quatro rodas. Ele criou então a Benz & Cia., a primeira linha de montagem de veículos e a maior do mundo no início do século XX.

Gottlieb Daimler, juntamente com seu parceiro na época, Wilhelm Maybach, construíram em 1885 o primeiro protótipo de um motor movido a gás. No ano seguinte, a dupla juntou seu motor a uma carroça e criou o primeiro automóvel à gás.

Em 1890, Daimler e Maybach fundaram a Daimler-Motoren-Gesellschaft (DMG) e também passaram a produzir veículos para comercialização.

Naquela altura, Benz & Cia. e a DMG eram as maiores rivais do setor de automóveis.

 

A junção dos rivais

Em 1926, com a instabilidade econômica sofrida pela indústria de automóveis após a Primeira Guerra Mundial, Daimler e Benz resolveram unir suas forças. Então as duas maiores montadoras da época tornaram-se uma só e levaram o nome de Daimler Benz AG.

Na época, a montadora era responsável pelo desenvolvimento de motores, automóveis e caminhões.

 

O surgimento do nome Mercedes

Em abril de 1900, Emil Jellinek, um rico empreendedor europeu de automóveis, e a DMG assinaram um acordo de distribuição de veículos e motores. Jellinek solicitou que o nome de um automóvel, fosse Mercedes 35HP, em homenagem a sua filha que se chamava Mercedes. Em troca, Jellinek encomendou 36 veículos pelo preço global de 550 mil marcos, que, em valores atuais, correspondem a 5,5 milhões de reais.

Este primeiro "Mercedes", desenvolvido por Wilhelm Maybach, construtor chefe da DMG, fez furor no início do século. As características do veículo - entre elas, seus baixos pontos de apoio, quadro de aço prensado, motor leve de alto desempenho e radiador tipo colmeia - representavam uma riqueza de inovações que o tornaram o primeiro automóvel moderno.

Em meados de 1901, a Daimler passa a adotar "Mercedes" como nome de sua marca. Com a fusão da DMG e Benz & Cia., Karl decidiu acrescentar "Benz" na marca Mercedes.

 

O nascimento da estrela

O mundialmente famoso símbolo da Mercedes-Benz teve um início profético. Representando a triplicidade das atividades da Daimler, fabricante de motores para uso em terra, mar e ar, a estrela de três pontas foi adotada como logotipo em 1909, após a morte de Gottlieb Daimler.

Foi inspirada numa figura que ele havia desenhado num postal, o qual remeteu à sua esposa com o seguinte comentário: um dia essa estrela brilhará sobre a minha obra.

Ao longo dos anos, o símbolo passou por várias alterações. Em 1923 foi acrescentado o círculo. E três anos depois, com a fusão das empresas Daimler e Benz, foi incluída a coroa de louros, do logotipo da Benz. A forma definitiva foi adotada em 1933 e desde então se mantém inalterada.

- Leia também: Museu Mercedes-Benz: há 15 anos contando a história automotiva

 

Desenvolvimento dos veículos atuais

Desde a origem de sua criação, a Mercedes-Benz tem DNA inovador, sendo responsável por algumas das mais revolucionárias tecnologias automotivas do mundo. A marca segue até os dias atuais preservando essa identidade.

Não é à toa que os veículos Mercedes-Benz são alguns dos mais luxuosos e cobiçados em todo o mundo. Quesitos como tecnologia de ponta, conforto extraordinário e potência acima da média ajudam a explicar o motivo de tanto sucesso.

 

O Design Code da Mercedes-Benz

A filosofia de design da Mercedes busca trazer em todos seus veículos uma expressão do luxo moderno.

Pensando nisso, a marca desenvolveu um Design Code. É um manual que se baseia em seis diretrizes, que devem ser interpretadas e aplicadas a cada modelo. Graças a ele, cada veículo ganha uma característica própria, mas ainda é facilmente reconhecível como um Mercedes-Benz.

Veja quais são!

 

1. Momentos inesquecíveis

Com o design dos veículos Mercedes, a marca proporciona experiências que despertam fortes emoções e momentos surpreendentes: prazer pelo inesperado, extraordinário, sublime.

Graças a esse conceito, a montadora alemã cria máquinas que levam a experiência de condução a outros níveis.

 

2. Contraste estimulante

A interação de forças estéticas e criativas no tratamento da materialidade, cromaticidade e expressão formal reflete a bipolaridade da Mercedes. No espaço de tensão entre os polos da emoção e inteligência, a marca busca a "harmonia dos contrastes".

 

3. Proporções impressionantes

O bom design se baseia em proporções impressionantes que permite que a marca expresse força, harmonia e solidez em todos os veículos de sua linha.

 

4. Forma livre e geometria

O conceito traz a expressão plástica tridimensional e esculpida da modelagem de superfícies: geometrias básicas claras e distintas constituem a essência do design das formas na Mercedes-Benz e são aprimoradas por superfícies sensoriais e esculturais.

 

5. Gráficos Significativos

Graças a esse conceito, os designers da Mercedes-Benz materializam precisão, sofisticação e alta tecnologia em elementos visíveis. Eles se encontram na interação de tensões das formas sensoriais.

Detalhes precisos com engenhosidade de design acentuam o corpo do veículo e suas qualidades sensoriais e esculturais.

 

6. Atração Natural

Uma experiência sensorial, formas modeladas robustas, repletas de luxo e estímulos naturais, percepção tátil dos materiais, cores e atmosferas compõem este conceito.

Aqui o objetivo é criar modelos que chamem a atenção por onde passarem, sendo uma atração natural a todos os olhares.

 

Leia também: