História da Mercedes na Fórmula 1: relembre a trajetória de sucesso das flechas de prata até os dias de hoje

Mercedes na F1: relembre a trajetória de sucesso das flechas de prata
26/03/2021

A Mercedes-Benz é a equipe de maior sucesso na história atual da Fórmula 1. Desde 2014, a escuderia alemã conquistou todos os campeonatos possíveis na categoria, entre títulos de pilotos e construtores. 


Mas a história das flechas de prata começou muito antes dessa nova era de sucesso. Foi lá em 1954 que a Mercedes deu o pontapé inicial de uma trajetória recheada de conquistas e recordes. 


Vamos fazer então uma retrospectiva para apresentar detalhes da história de sucesso da Mercedes na F1. Veja abaixo. 


Estreia na Fórmula 1 em 1954


Logo na estreia na F1, em 54, a Mercedes já emplacou uma dobradinha com seus dois pilotos, Juan Manuel Fangio e Karl Kling, conquistando a primeira e segunda colocação, respectivamente. 


Fangio conquistou mais três vitórias durante a temporada e terminou o ano como campeão de pilotos - na época ainda não havia campeonato de construtores. A história de sucesso não parou por aí, pois, no ano seguinte Fangio repetiu o feito e conquistou o bicampeonato. 


Apesar do início avassalador, a Mercedes decidiu se retirar da Fórmula 1 após a tragédia nas 24 Horas de Le Mans em 1955. O acidente é marcado até hoje como o pior de toda a história do automobilismo. Durante a colisão, os carros atingiram o público e causaram a morte de 77 pessoas, além do piloto que corria pela Mercedes, Pierre Levegh. 


Retorno à F1 em 2010


Em 1994, a Mercedes retornou à Fórmula 1 como fornecedora de motores para a equipe Sauber e em 1995, com a McLaren. Essa última parceria durou até 2014. 


Mas é somente na temporada de 2010 que as flechas de prata retornam como equipe própria à maior categoria de automobilismo do mundo. No final de 2009, a empresa anunciou a compra da Brawn GP, equipe que havia conquistado o campeonato (de pilotos e construtores) naquele ano. 


Para o retorno à categoria, a equipe anunciou como dupla de pilotos, o alemão Nico Rosberg e o heptacampeão Michael Schumacher, que retornava à categoria após sua aposentadoria em 2006. 


Os três primeiros anos do retorno da Mercedes à F1 não foi como esperado. A equipe não apresentou um bom rendimento, conquistando apenas uma vitória, no GP da China, em 2012, com Rosberg. 


Ao final de 2012, Schumacher anunciou sua aposentadoria e a Mercedes contratou Lewis Hamilton para ocupar sua vaga na equipe. Naquele ano, a RBR dominou a temporada, conquistando 13 das 19 corridas disputadas com Sebastian Vettel. No entanto, apesar do domínio da equipe austríaca, a Mercedes teve um bom rendimento e terminou o ano como vice-campeã de construtores. 


2014: Chegada dos motores híbridos e início da supremacia na Fórmula 1


Em 2014, a Fórmula 1 deu início à era dos motores híbridos. Os motores V8 de  2.4L naturalmente aspirados saíram de cena e deram espaço para os novos motores de combustão interna V6 Turbo 1.6L. Inicia-se então o domínio absoluto da Mercedes-AMG Petronas na categoria. 


Logo no primeiro ano com os novos motores, a escuderia alemã conquistou 16 das 19 corridas disputadas, terminando o ano com o título de construtores e de pilotos, com Lewis Hamilton. Em 2015, a Mercedes repetiu o feito, com o mesmo número de vitórias e com Hamilton novamente consagrado campeão. 


O ano de 2016 foi mais superior ainda para as flechas de prata. A equipe terminou o ano com 19 vitórias nas 21 corridas disputadas. Essa temporada foi marcada por uma intensa disputa entre seus dois pilotos, Hamilton e Rosberg, que terminou com o alemão conquistando seu primeiro campeonato na categoria. 


Rosberg anunciou a aposentadoria no final de 2016 e desde então a Mercedes disputa a categoria com Hamilton e o finlandês, Valtteri Bottas. 


Nos anos seguintes (2014-2020), a Mercedes e Hamilton conquistaram mais quatro campeonatos. Foram sete campeonatos de construtores seguidos para a equipe alemã. Hamilton venceu seis deles e terminou 2020 igualando a marca histórica de Schumacher, de sete títulos conquistados na F1.



Números da Mercedes na Fórmula 1


  • 7 títulos de campeã de construtores;

  • 9 campeonatos de pilotos;

  • 115 vitórias;

  • 236 pódios;

  • 127 pole position;

  • 84 voltas rápidas; 

  • 5685 pontos.